quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Adeus ano velho... FELIZ ANO NOVO!!!


Caríssimos adoradores de dragões, FELIZ ANO NOVO!!!


Eu desejo reencontrá-los nesta colina no próximo ano (Que 2010 chegue logo!!! Putz, essas últimas horas que não passam logo... rs...) e que cada um de nós possamos conquistar todos as nossas ambições e metas, todas com o máximo de sucesso possível, nos dias vindouros.


Também almejo que as nossas energias sejam recarregadas, assim como os nossas esperanças e estímulos para enfrentar a vida com força, coragem, sabedoria e honra e que o dragão que habita o nosso íntimo renasça também para nos guiar e proteger!!!


Feliz 2010!!!


Abração afetuoso, Dan.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Dragão Noel



Sim, turminha, eu não poderia esquecer:

- "Antes da meia noite, todo mundo tomado banho e na cama dormindo, senão, o Dragão Noel não irá descer a chaminé ou passar pela janela do seu quarto (para quem mora em casa) ou subir o elevador (para os que moram em apto) para deixar os presentes de cada um de vocês embaixo das respectivas árvores de natal. Por acaso, vocês se comportaram bem durante o ano?!!! Caso contrário, poderão correr o risco de ficar sem presentes e chupando os dedos na manhã seguinte!!!" rs...


Feliz Natal!!! ;)

OH,
oh, OH, oh...



Feliz Natal 2009




Meus caros amigos e seguidores, estamos na véspera do Natal e, primeiramente, eu gostaria de agradecer o apoio e a participação de vocês no (nosso) blog no decorrer desses últimos meses, desde a criação do Colina do Dragão, seja esboçando satisfação em lê-lo ou sugerindo pautas/temáticas pertinentes e críticas construtivas à ele ou esclarecendo as suas dúvidas.

Nesta data oportuna, eu gostaria de desejar a cada um de vocês e aos seus familiares os meus votos natalinos e que cada lar possa ser invadido por muita paz, saúde, amor, alegria e prosperidade, sem esquecer das bênçãos do Menino Jesus - O Anfitrião do dia.

Boas Festas para todos nós,
Dan.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Ele foi "despresepiado"




..."Hoje a noite é bela, vamos à capela
Sob a luz da vela, felizes a cantar
Ao soar o sino, sino pequenino
Vem o Deus menino, nos abençoar.

Bate o sino pequenino, sino de Belém
Já nasceu o Deus Menino para o nosso bem
Paz na Terra pede o sino alegre a cantar
Abençoe o Deus Menino este nosso lar..."

(Jingle Bells - John Pierpont, 1859)


E a noite de Natal está se aproximando e com ela os festejos do nascimento do Menino Jesus. Natal que é Natal, algumas simbologias muito importantes, tais como: Papai Noel ou Saint Klaus, o bom velhinho, árvore de natal e decorações natalinas espalhadas pela casa, troca de presentes, uma deliciosa ceia acompanhada de familiares e amigos (pelo menos, deveria ser assim em cada lar brasileiro e do mundo, mas, infelizmente, não é assim) e o principal: O presépio.

Falando em presépio, é a representação do nascimento do nosso salvador na mangedoura, na madrugada do dia 24/25 de dezembro, cercado de José e Maria (seus pais na Terra), os três magos (seus padrinhos de nascimento regendo-o cada um com uma graça) e muitos animais (vacas, cavalos, jumentos, ovelhas, cabras, galinhas, porcos,coelhos...) representando a natureza criada por Deus.

E por falar em presépio e em animais, onde está Wally?!!! Oops, onde está o dragão?!!!

Naturalmente, que a figura dragônica não estaria representada no presépio e, muito menos, associada à esta data cristã, pois, antes mesmo do nascimento de Jesus Cristo, ele já tinha sido banido dos céus, reduzido a categoria inferior e considerado como uma criatura inimiga e bestial.

"Presepiado" ou não, santificado ou não, pelo menos aqui, neste Natal (2009), os dragões não serão esquecidos.



terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Dragon's Merry Xmas, O conto de Natal




Dav Pilkey é um popular escritor e ilustrador norte-americano que atua na área da literatura infantil. As suas duas principais séries de livros são: The Adventures of Captain Underpants (1997) e Dragon (1991). Esta segunda série, se transformou em seriado de TV, tendo uma grande aceitação das crianças pelo seu personagem dragão. Quando ele criou o Dragon, ele nem imaginava em criar uma série específica para ele e, muito menos, que lhe renderia outros frutos, como aceitação do personagem e os projetos que surgiram a partir daí.

Em seu livro "Dragon's Merry Christmas", ele aborda os preparativos do Dragon para o Natal, sobretudo na decoração da sua árvore de natal. Trata-se de mais um conto natalino para a criançada.


Fonte:

http://www.pilkey.com/bookview.php?id=5

http://www.wikipedia.com

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Qual é o seu dragão interior?!!!




Galera, esse segundo quiz também foi tirado do facebook. Portanto, quem quiser saber qual é o seu dragão interior, deve seguir o mesmo método do quis anterior: É necessário ter um perfil no facebook ou, então, caso você não tenha, você posta as suas respostas (a, b, c, d, e & f) na caixa de comentários desse post que eu faço o simulado para você e depois eu deixo a resposta do seu quiz também na caixa de comentários.

Então, vamos ao quiz:


What is your inner dragon?


1. What is your favourite color?
a) Gold
b) Green
c) Silver
d)
Blue

e) Black
f)
Red


2. What would you rather eat? a) BBQ :D
b)
Things I see

c)
Nothing

d)
Fishes

e) What ever comes in my path XP
f) Fruit

3. Where would you rather go for vacation

a)
The beach

b)
Camping

c)
Go mountain climbing

d) Some where dark
e)
Go find treasure

f)
The water park


4. What do you dislike?

a) Nature
b)
Fire

c)
Dark

d)
Light

e)
Electricity - static-XD

f)
Water


5. Quiz is over. What do you think?
a)
It's awsome

b)
Cool...

c) Done already?
d)
Uhhh...

e) IT STINKS!!!
f) It's okay


Resultado do meu Quiz:



CHAOS/DARKNESS DRAGON


"Dark colored scale, kills a lot more than the average dragons, have the strongest & biggest body structure, crazy strong/powerful, uses black magic."




Fonte:


http://apps.facebook.com/what-is-your-i-ifcbg/take?q2fba=0&tv2=mKrRaGQbE%2BCXxiCAKTbDhy2Nh0igbhK%2FY6TZ0OIngQ%3D%3D&link=action_take&_fb_fromhash=89810b6d0ce679d78495d08e7b67b7a0&ref=nf

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Qual tipo de dragão você é?!!!



Galera, esse quiz foi tirado do facebook. Portanto, quem quiser saber qual é o seu tipo de dragão, é necessário ter um perfil no facebook ou, então, caso você não tenha, você posta as suas respostas (a, b e c) na caixa de comentários desse post que eu faço o simulado para você e depois eu deixo a resposta do seu quiz também na caixa de comentários.

Então, lá vai o quiz:


What dragon are you?

1. Someone needs your help, what do you do?
a) You don't really care but if they are friend, you will help.
b) You do it but for a high price.
c) You do it as long as they do something in return.

2. You find some money lying around in the supermarket, do you?
a) You leave it there, until you sigh, turn around and hand it over to someone in charge.
b) You keep it, no one is going to miss it anyway.
c) Hand it over to someone in charge, expecting a reward.

3. Someone is bullied, what do you do?
a) You comfort them and instead of being too involved, you tell a teacher or something.
b) You beat up that bully, no one messes with my friends!
c) You will help but you expect something in return.

4. Someone pushes you down to the ground, how do you react?
a) Someone disturbed the pond. You give them a telling off of the lifetime and give a shove for good measure.
b) You leap to your feet and push them down, as well land a punch or two!
c) You step back up and icily say good day. The next day, they have an accident of some sort. No known cause.

5. Are you...
a) Silent, calm, reasonable and effortless?
b) Cool, sweet, delicate and revengful?
c) Short tempered, feirce, strong and macho?


Resultado do meu Quiz:


Water Dragon

"You are cool and calm but sometimes you don't really care, like the way the ocean doesn't care if a wave hits you or not."



Fonte:

http://apps.facebook.com/what-dragon-a-dfjihh/take?q2fba=0&tv2=mKrRaGQbE%2BCXxiCAKTbDhy2Nh0igbhK%2FY6TZ0eMhiQ%3D%3D&link=action_take&_fb_fromhash=89810b6d0ce679d78495d08e7b67b7a0&ref=nf

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Pirofagia


E por falar no elemento fogo, que tal pirofagiar?!!! É uma prática dragônica, não se esqueça.

Segundo a nomeclatura, "Piro (fogo) fagia (ato de comer)" consiste na prática ou técnica circense de comer ou cuspir fogo, lembrando um dragão. Porém, atualmente, a pirofagia é utilizado como elemento cênico, acrescentando técnicas de apresentação que vão além de engolir e cuspir fogo, como também o uso de tochas, malabares e outros objetos, como espadas, cones, bambolês, dentre outros.

Pirofagiar precisa de treino e uma série de cuidados com a segurança,para que o prraticante não coloque a sua vida e nem as de segundos e terceiros em risco. É uma prática séria e que não pode ser realizada de forma erma e irresponsável por pessoas despreparadas.

Vai um foguinho aí?!!! rs...

domingo, 6 de dezembro de 2009

Unicórnio vs Dragão




É intrinseco da natureza humana a presença da rivalidade e da necessidade de competição, onde um ser e/ou uma espécie precisam demonstrar os seus poderes e seus domínios em relação aos outros, aos seus antagonistas, dando a dimensão exata da "Lei da Evolução das Espécies" de Charles Darwin - A luta pela sobrevivência das espécies, a vitória do mais forte em detrimento do mais fraco. Nesse contexto, a psique humana cria como fetiche a rivalidade entre as nações, as raças, as espécies, os grupos sociais e os indivíduos.

Assim, cria-se uma expectativa muito grande em relação a força e a dinastia dragônica, querendo testá-la a toda prova, sobretudo, criando rivais e oponentes à sua altura para travar grandes lutas e embates fantásticos. No imaginário popular ou em seus devaneios ou surtos criativos, cogita-se a possibilidade de que os unicórnios sejam rivais dos dragões, tratando de uma rivalidade mítica, lendária e espetacular.

Como podemos perceber no vídeo, "Unicorn vs Dragon" (vide abaixo), de autoria da estudante Camila Nazário, o unicórnio (representante do bem, um ser celeste) luta com o dragão (representante do mal, um ser infernal), reforçando a tese de que estas espécies lendárias são rivais.





No entanto, não podemos esquecer que ambas espécies apesar das suas peculiaridades, também apresentam aspectos em comum, aspectos já debatido no post "As similaridades entre os Dragões e os Unicórnios" (23/09/2009).

sábado, 5 de dezembro de 2009

A Fênix e o Dragão





A FÊNIX


"Enquanto canta, a amarga dor da morte
penetra seu íntimo e ela treme como uma
folha. Todos os pássaros e animais são
atraídos por seu canto, que soa agora
como as trombetas do Último Dia; todos
aproximam-se para assistir o espetáculo
de sua morte, e, por seu exemplo, cada
um deles determina-se a deixar o mundo
para trás e resigna-se a morrer. De fato,
nesse dia um grande número de animais
morre com o coração ensanguentado diante
da fênix, por causa da tristeza de que a
veem presa. É um dia extraordinário: alguns
soluçam em simpatia, outros perdem os sen-
tidos, outros ainda morrem ao ouvir seu
lamento apaixonado. Quando lhe resta apenas
um sopro de vida, a fênix bate suas asas e
agita suas plumas, e deste movimento produz-
se um fogo que transforma seu estado. Este
fogo espalha-se rapidamente para folhagens
e madeira, que ardem agradavelmente. Breve,
madeira e pássaro tornam-se brasas vivas, e
então cinzas. Porém, quando a pira foi consu-
mida e a última centelha se extingue, uma
pequena fênix desperta do leito de cinzas."

(Conferência dos Pássaros - 1177)


De acordo com a mitologia grega e egípcia, a Fênix é um pássaro muito forte e que poderia viver até os 500 anos de idade, onde, em seu leito de morte, entrava em estado de autocombustão e, com o passar do tempo, tinha a dadiva de renascer das próprias cinzas. Também considerada como um "pássaro de fogo", a Fênix apresentava penas brilhantes, douradas e com variações avermelhadas, sendo um pouco maior do que uma águia.

Ao ressurgir das cinzas, completando um ciclo de vida anterior, tal pássaro, oferecia as suas cinzas ao Deus Sol, simbolizando a imortalidade e o renascimento espiritual.

Ao prever a sua morte, a própria ave construía a sua pira de canela, sálvia e mirra, uma espécie de leito de morte, o seu ninho mortal, para que ela pudesse queimar e ressurgir das cinzas uma nova ave para repetir a sua própria sina e saga. Para a religião cristã, a Fênix simboliza a ressurreição de Jesus Cristo, pois ambos ressurgirão da morte.


A FÊNIX E O DRAGÃO






Assim como os dragões, a Fênix também é um ser mitológico e lendário. Embora insista uma necessidade humana de confrontá-los, tornando-os rivais (algo irreal), e definir quem é o mais forte dos dois, pois ambos representam a força, a relação entre eles é bem mais próxima do que podemos imaginar. Existem elos de complementaridade entre eles.

Segundo o Feng Shui, uma tradição taoísta fundamentada no equilíbrio das forças positivas e negativas, entre a vida e a morte, a fênix e o dragão representam o encontro do Yin e do Yang, buscando a preservação da vida e a transformação do espírito.

A Fênix (Yin), também conhecida como "pássaro do vento", representa o espírito e o sopro da vida, completamente regida pelo elemento ar. Já o Dragão (Yang) representa o renascimento e a força criativa (a essência feminina) por se tratar de um ser espiritual e a serpente representa a reprodução, a sexualidade masculina e o princípio da vida.

Nesse sentido, a filosofia chinesa não os colocam na situação de rivais, mais sim de casal, num casamento energético e complementar. Não existe uma posição de "versus", de confronto, mas de "&", de comunhão.



Fonte:

http://pt.wikipedia.org

http://www.taoismo.org.br

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Os "Dragões Luciferados" da História da Humanidade



A humanidade tem a sua parte "Lúcifer", a sua parte "dragão". Quer ver?!!! Alguns exemplos de "Dragões Luciferados" no decorrer da história da humanidade: Calígula e alguns imperadores romanos, visando a conquista de novos povos e territórios para expandirem os seus governos; Nero, com sua sede de conquista, enlouqueceu encendiando Roma; As cruzadas, em suas guerras santas em "nome de Deus", inclusive indo à caça as bruxas; Os colonizadores que dizimaram culturas e povos indígenas e negros para saciar a sua ganância e os seus interesses absolutistas, tais como o bonachão D. João II e a Corôa Portuguesa e Napoleão Bonaparti correspondendo a Coroa Francesa; Mussolini e Hitler, envolvidos com seus megadesvarios de conquistar o mundo na I e II Guerra Mundial, matando milhares de judeus no holocausto; O poderio bélico e monetário (U$) norte-americano em se tornar a primeira pontência mundial da atualidade, patrocinando guerras, boicotes econômicos contra Cuba e Fidel Castro e outros países que não querem se curvar aos interesses capitalistas do Tio Sam, ao exemplo da Venezuela e Hugo Chaves, devastando cidades japonesas (com a bomba atômica, Governo Roosevelt) e causando várias mortes aos Vietcongues (Governo Kennedy) e aos seus próprios soldados ianques em guerras e a luta contra o terrorismo islâmico (Governo Bush) patrocinados por Saddam Husseim e Bin Laden ; a guerra do tráfico, asfalto vs morro; a luta contra a fome, a miséria e a falta de oportunidade; enfim, a todos aqueles que patrocinam a morte, o caos e a degradação humana e social.



(Caligula, Nero, D. João II, Napoleão, Mussolini e Hitler)




(Prepotência norte-americana, Bush, Bin Laden e Saddam)

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Lúcifer, o Dragão (II): O Inimigo de Deus na Terra




Lúcifer, antes considerado como a "estrela da manhã", após a sua desobediência se transforma em Satanás, o "inimigo de Deus", sendo o seu antagonista hóstil e Sr. do Pecado. que almeja ocupar o lugar de Deus:


"Como caíste do céu, ó estrela da manhã,
filho da alva! Como foste lançado por
terra, tu que debilitavas as nações! Tu
dizias no teu coração: Eu subirei ao céu;
acima das estrelas de Deus exaltarei o
meu trono e no monte da congregação me
assentarei, nas extremidades do Norte;
subirei acima das mais altas nuvens, e
serei semelhante ao Altíssimo.E contudo
levado serás ao (Sheol), ao mais profundo
do abismo."

(Isaías 14:12-15)





Ter se rebelado contra o seu criador, ter cobiçado o seu lugar e, até certo ponto, querer se tornar um Deus, maior do que o seu Pai, fizeram de Lúcifer e tudo o que está relacionado a ele, ao exemplo do dragão, os símbolos da negatividade, da maldade e do caos. Neste sentido, Lúcifer, Satanas e o Dragão podem ser considerados como um ser só, sobretudo através do olhar católico e cristão.

Embora, eu seja oficialmente católico, postólico e romano e acredite em Deus, como a força maior, a força e a energia da criação, tendo uma certa desconfiança que Deus seja a nossa cara e semelhança (e os outros deuses e as outras crenças?!!!), eu acredito piamente que a satanização dragônica é uma estratégia da religião católica e cristã, principalmente na Idade Média, para salvarguar os interesses e o monopólio religioso e do conhecimento da Igreja Católica (pois, somente ela tinha acesso ao saber) e o poder absolutista dos nobres da época.

Alguns questionamentos são pertinentes e necessários para refletirmos a cerca disso:
1. Será que o dragão é tão vilão assim?!!!
2. Se existe uma faceta negativa que sobrecai à espécie dragônica, será que seria tão diferente da espécie humana?!!!
3. Se Lúcifer foi, é e sempre será orgulhoso, ambicioso, desobediente,imperfeito e carnal, tais características também não fazem parte da essência da humanidade (uns mais, outros menos)?!!!

Não podemos desconsiderar ou fechar os olhos para esse fato: Assim como o bem habita em cada um de nós, dentro dos nossos interiores, o mal também está. Nós somos o reflexo diário da dicotomia entre o bem e o mal, a síntese e a antítese, o verso e o reverso, enfim, a contradição que está presente em nós, na sociedade em que vivemos e nos nossos pensamentos e comportamentos.




Se não fosse assim, a humanidade não cometeria atrocidades, geralmente associadas a sua própria causa pessoal e/ou nacionalista, seja na figura das batalhas entre os reinos medievais ou nos déspotas/tiranos da história ou nas guerras santas ou no monopólio imperialista de mercado ou nas relações de poder presentes nos nossos relacionamentos ou na luta pela sobrevivência.


"Lúcifer Prometeu, acorrentado na dura
rocha da lide cotidiana, sofre com o
Abutre do materialismo e da vulgaridade
que abunda na sociedade.

Esse Abutre do vulgarismo, da profani-
dade, da anti-iniciação, corrói o fígado
desse Titã, que por amor à essência
humana, roubou o Fogo do Olimpo. O fígado
é o Calvário onde crucificamos todos os
dias o Salvador."

(Gnosisonline)





Fonte:

BÍBLIA. A.T. Português. Bíblia de Jerusalém. Coordenação de Gilberto da Silva Gorgulho, Ivo Storniolo, Ana Flora Anderson. São Paulo: Paulus, 1985.

http://www.estudosdabiblia.net

http://www.flaviocosta.com/saomiguel/arcanjomigueln.htm

http://www.gnosisonline.org/Teologia_Gnostica/misterio_lucifer_prometeu.shtml

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Lúcifer, o Dragão (I): A Expulsão do Céu

























"Houve peleja no céu. Miguel e seus anjos
pelejaram contra o dragão. Também pelejaram
o dragão e seu anjos. Todavia não prevale-
ceram, nem mais se achou no céu o lugar deles.
E foi expulso o grande dragão, a antiga ser-
pente, que se chama Diabo e Satanás, o sedutor
de todo mundo, sim, foi atirado para a terra
e, com ele, seus anjos."

(Apocalipse 12:7-9)


Partindo do pressuposto católico de que Lúcifer ou "estrela da manhã" também é um dragão, o anjo-dragão e os seus seguidores, os anjos decaídos, foram expulsos do paraíso pelo exército de Deus, pois a sua essência caótica, baseada no orgulho, na ambição e na carnalidade, representava uma ameaça à ordem divina e celestial, como também a corrupção do Jardim do Éden, o cenário de Adão e Eva e da serpente (símbolo do pecado original e da tentação), pois pregava a desobediência e a depravação.






Nesse sentido, para evitar a perdição e a degradação da humanidade, Lúcifer foi aprisionado por São Miguel Arcanjo e a sua tropa celestial e enviado para o Tribunal do Fogo Sagrado em Sírius, A Estrela de Deus, onde ele foi julgado e condenado pelos 24 Anciãos da Humanidade. Considerado culpado e rotulado como o "arquinimigo da humanidade", ele e os seus seguidores foram expulsos:


"Então, ouvi grande voz no céu proclamando:
Agora veio a salvação, o poder, o reino do
nosso Deus e a autoridade do seu Cristo,
pois foi expulso o acusador de nossos irmãos,
o mesmo que os acusa de dia e de noite, diante
de nosso Deus."

(Rev. 12:10)






Tal dragão e anticristo plantou algumas sementes da discórdia entre a humanidade, onde estas sementes iram germinar através da associação dos "filhos de Deus" com os anjos caídos encarnados na Terra. Para evitar que elas germinem, São Miguel Arcanjo e os seres celestiais precisam defender os filhos de Deus e lembrar constantemente aos homens os malfeitos de Lúcifer e o seu bando e os seguintes eventos: "O julgamento do dragão, da besta, da grande meretriz e do falso profeta - as manifestações das perversões da Consciências de Deus nos quatro corpos inferiores da Terra e de suas evoluções"; referência às sementes da discórdia.




Quando a espada celestial é cravada no coração do dragão (alusão sobre a passagem de São Jorge na Era Medieval), simbolizando a luta contra a tirania do maligno, surge uma esfera de libertação e fé, nos protegendo contra o carma e a escuridão lançados pelo Anticristo.




Fonte:

BÍBLIA. A.T. Português. Bíblia de Jerusalém. Coordenação de Gilberto da Silva Gorgulho, Ivo Storniolo, Ana Flora Anderson. São Paulo: Paulus, 1985.

http://www.estudosdabiblia.net

http://www.flaviocosta.com/saomiguel/arcanjomigueln.htm

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Anjos e Dragões





















"Miguel, das ordens minhas te encarrego;
Dentre os guerreiros querubins escolhe
A mais luzida flor, contigo os leva;
Sobre Satã vigia a fim que, ousado,
Perturbando de novo a paz no mundo,
Não tome agora com traição arteira
Sobre seus ombros a defesa do homem
Ou não se aposse do jardim formoso
Que era seu domicílio e fica vago."

(MILTON, 1964, p. 330)








SÃO MIGUEL ARCANJO & SUA FALANGE



Simbolicamente, na tradição cristã medieval, São Miguel Arcanjo e a sua falange de anjos foram elementos utilizados pela Igreja Católica como estratégia para ordenar o comportamento e o pensamento do homem ocidental na Idade Média. Desde então, até os dias de hoje, a figura de São Miguel, o santo-anjo, representa o guardião e o líder dos exércitos de Deus contra os inimigos do cristianismo, como também, as forças do mal - regidas pelo Anjo Decaído, Lúcifer. Trava-se aqui a guerra santa, onde o general do céu regerá o seu exército, em prol da luta do bem versus o mal, Deus vs Diabo.

Guerra Santa?!!! Sim, embora, toda a contradição, indo contra ao modelo de paz que conhecemos, na Era Medieval, as batalhas angelicais ou não, ao exemplo das Cruzadas, eram toleradas e incentivas como exemplo para se estabelecer a vitória do bem contra o mal, sendo assim,


"(...) a Europa medieval entendia a
violência de forma totalmente plausível
desde que justa, assim era vista a luta
contra as representações do mal, justi-
ficada no mito de São Miguel, o arcanjo
guerreiro que se encaixa bem como modelo
cosmológico dessa violência terrena."

(Hudson Moreira)


Quando o "mensageiro de Deus" e sua tropa celestial enfrentam e derrotam o dragão, expulsando-o do paraíso - O Mito da Eliade, a criação do mundo terreno; deixa evidente que o dragão é a representação das forças do mal, considerado como o próprio demônio, a serpente da Gênese. Nesse sentido, podemos considerar que a figura dragônica é a extensão de Lucifer se não o próprio, em forma de bestafera.

Neste sentido, o preconceito que sobrecai sobre os dragões nasce aí. Porém, se adorados por uns, também eram odiados por outros:


"(...) os “pagãos” viam no dragão a repre-
sentação do equilíbrio entre as forças
naturais, os cristãos, pelo contrário,
diziam ser o ele a possível materialização
das forças do mal unicamente, aquele que
desequilibra o cosmos, este último criado
por Deus e assim morada do bem. O dragão
católico remete a serpente que trouxe o
pecado ao mundo, é a própria representação
do demônio."

(Hudson Moreira)


Segundo Le Goff (1980), o dragão era visto como a encarnação de todo o mal, sendo, definitivamente considerado como o Satanás. E como tal, São Miguel foi enviado por Deus para expulsar Lúcifer do paraíso.


"(...) Vi então um Anjo descer do céu,
trazendo na mão a chave do Abismo e uma
grande corrente. Ele agarrou o Dragão,
a antiga Serpente – que é o Diabo, Satanás
– acorrentou-o por mil anos e o atirou
dentro do Abismo, fechando-o e lacrando-o
com um selo para que não seduzisse mais
as nações até que os mil anos estivessem
terminados. Depois disso ele deverá ser
solto por pouco tempo."

(Apocalipse, 20, 1-3)








Fonte:

BÍBLIA. A.T. Português. Bíblia de Jerusalém. Coordenação de Gilberto da Silva Gorgulho, Ivo Storniolo, Ana Flora Anderson. São Paulo: Paulus, 1985.

LE GOFF, Jacques. Para um novo conceito de Idade Média: tempo, trabalho e cultura no Ocidente. Lisboa: Estampa, 1980.

MILTON, John. Paraíso Perdido. Trad.: Antônio José Lima Leitão. São Paulo: Clássicos Jackson, 1964.

http://www.consciencia.org/sao-miguel-arcanjo-o-mito-e-seu-papel-no-belicismo-medieval

Os posts do mês de Dezembro




De todas as datas comemorativas e festividades santas da cultura religiosa cristã presentes no nosso calendário anual, nós estamos num mês santo/cristão, eu até ousaria em afirmar que: Nós iremos comemorar o principal acontecimento cristão - "O nascimento de Jesus Cristo, em 25 de dezembro"; como também, renovando as esperanças para o próximo ano vindouro (Salve, 2010 que está à caminho). Neste contexto, eu não poderia deixar de analisar o universo dragônico sobre essa perspectiva cristã, mesmo que discordando com a visão negativista e preconceituosa que sobrecai em cima dos dragões. Me refiro aqui que eu sou avesso a satanização dragônica.

Porém, os posts a serem postados aqui, abordarão o maniqueísmo secular da exaustiva batalha das forças do bem contra o mau. Assim, (di)vagaremos entre o céu e a terra, entre o sagrado e o profano, entre o paraíso celestial e os portões do inferno, entre anjos e demônios, como também, nos referindo aos outros seres lendários, tais como o "pássaro de fogo", a Fênix, e o "cavalo alado de único córneo", o unicórnio, supostamente imaginados como possíveis rivais dos dragões.

Em contrapartida, tentaremos estabelecer possíveis vínculos entre a presença dos dragões nas confraternizações natalinas e de final de ano e, se existe,alguma passagem histórica ou relato que aborde a relação entre Jesus Cristo e os seres dragônicos. Então, vamos lá.

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Os Dragões da Costa do Dragão



"Águas profundas sem guildas ou
Vigília,
ou Portão Ocidental com
seus poderes
sinistros reduzidos aos
mesmos golpes
rápidos de espada e
magias dissimuladas
que nós
conhecemos".


(DROUTHE: 2002; p. 115)




A Costa do Dragão é um complexo de terras e ilhas que se localizam ao sul, no Mar das Estrelas Cadentes, formada por 3 cidades-estado fundamentais que a tornam um "ninho de abutres e patifes" e um local estratégico para a pirataria e o comércio informal e ilegal. Atuam por esses lados: Pelo menos, 7 guildas de ladrões, dezenas de bandos de piratas e sombrias sociedades secretas de Faerûn. Enfim, é uma região marítima muito traiçoeira e sem lei, onde você pode encontrar todo tipo de indivíduos e criaturas (drows, ilitides, beholder, homens-lagarto, magos inescrupulosos, doppleganger, metamorfos e fugitivos da justiça) que são guiados por um código de conduta informal, valendo até o ditado: "Olho por olho, dente por dente".

Também faz parte desta região a
Lagoa do Dragão ou Lago dos Dragões que serve de rota marítima para Cormyr e Sembia. Esse ponto apresenta muitos problemas, tais como: "pirataria, ataques de dragões marinhos e tempestades violentas". Os dragões da Costa do Dragão formam um séquito de dragões de peso, tanto por sua popularidade na região quanto o seu aspecto perigoso.

Neste grupo dragônico, encontraremos: "Kisonraathiisar, aprisionado pelo mago Saldrinar num cetro mágico; Thauglor, o dragão púrpuro; Kuldrak, o dragão de muitos rabos; Tchazzar, o deus-dragão; Arauvrim, um predador marinho perigoso; e Larithylar, a dragonesa camaleônica, que através da sua magia consegue possuir /assumir vários corpos/formas diferentes".






Fonte:

GUIMARÃES, Douglas Ricardo, FINK, Deborah M. Dungeons & Dragons: Forgotten Realms. Tradução: Lúcio Pimentel. São Paulo: Devir, 2002.

domingo, 15 de novembro de 2009

Nalavarauthatoryl, O Dragão Diabólico




Antes de se tornar um reino de paz, Cormyr precisou enfrentar sucessivas batalhas e superar algumas derrotas. Isso só foi possível após o reinado de Azoun IV, quando o reino se tornou mais forte e próspero, conseguindo superar a seguinte guerra:


"(...) hordas de orcs e globlins, em quantidades
inexistentes há séculos, invadiram a nação e os
antigos inimigos dos Obarskyr, reencarnados
como ghazneths (criaturas aladas de grande poder
que drenam magia) através de malignas, assolaram
o reino. "

(GUIMARÃES: 2002, p. 114)


Esse difícil período, podendo ser descrito como a "Era do Dragão Diabólico", foi mediado por várias derrotas do reino vigente, onde o dragão vermelho Nalavarauthatoryl comandou os ataques dos ghazneths à Cormyr, como também inúmeras frentes de batalhas como vencedor.

Porém, para livrar o seu reino deste caos vermelho e desta ameaça dragônica, o rei AzounIV e sua filha, a princesa Alusair, sofreram várias derrotas e traíções de diferentes formas, onde o próprio rei precisou enfrentar o dragão diabólico no campo de batalha, frente a frente. Ambos morreram em combate, matando-se.

Enquanto os ghazneths, após muitas vitórias da sua ala, eles foram derrotados pela princesa Tanalista, morta posteriormente ao "dar a luz" ao novo herdeiro do trono de Cormyr: Azoun V. No entanto, atualmente quem está regendo o reinado, mesmo que provisoriamente, é a princesa Alusair.



Fonte:

GUIMARÃES, Douglas Ricardo, FINK, Deborah M. Dungeons & Dragons: Forgotten Realms. Tradução: Lúcio Pimentel. São Paulo: Devir, 2002.

sábado, 14 de novembro de 2009

Thauglor, O Dragão Púrpuro



Antigamente, o reino de Cormyr era dominada por dragões, inclusive sob o comando de Thauglorimorgorus (ou simplemesmente Thauglor, o dragão púrpuro) o "monstro" mais poderoso deste reino. Esse ser possui as escamas púrpuras e um poder incalculável, tendo a capacidade de assumir a forma humana, graças a magia élfica que implantou a essência púrpura no seu sangue - um fenômeno sem explicação. Quando este dragão assume a sua forma humana, os seus olhos queimam como violetas em chamas.





A essência do dragão púrpuro corresponde a ser um adorador da natureza caótica e da beleza da terra, estando interessado não apenas na sua liberdade, mas, também na liberdade de outros povos, como por exemplo a os humanos.

Porém, com a chegada dos elfos na região, instalou-se uma série de combates: elfos versus dragões; onde eles o elfo Illiphar Nelnueve, o Senhor dos Cetros, conseguiu derrotar Thauglor e banir os dragões dali. Num segundo momento, os elfos foram expulsos de Cormyr pelas mãos dos humanos.

Cogita-se que Thauglor nunca saiu das terras rochosas, entre os Picos da Tempestade e as densas Florestas Verdes, onde ele vive sozinho e isolado. Caso ele se vá de Cormyr, a sua saída e/ou morte pode representar a perdição e a ruina deste reino, já que estão intimamentes ligados - pelo menos, é a teoria local que justificaria o forte laço entre o reino e o dragão púrpuro.





Fonte:

GUIMARÃES, Douglas Ricardo, FINK, Deborah M. Dungeons & Dragons: Forgotten Realms. Tradução: Lúcio Pimentel. São Paulo: Devir, 2002.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Os Cavaleiros de Cormyr




O reino milenar, resistente e próspero de Cormyr está localizado na capital real de Suzail, sendo cercado por montanhas, florestas verdes e povoados de humanóides malignos e, principalmente, se destacar por ter um exército oficial e modelo para os demais: "Os Cavaleiros dos Dragões Púrpuras". Tal exército (instituição ou hierarquia militar) é formado por uma tropa de soldados disciplinados, habilidosos e leais, compostos por valentes e honrosos guerreiros e prestigiosos rangers ou paladinos, como também, dispõe de uma experiente brigada de elite de guerra - "Os Arcanos de Guerra de Cormyr"; sendo apoiados por magos e feiticeiros.

Os cavaleiros dos Dragões Púrpuras não são apenas compostos por nobres e militares, mas, por civis em geral, onde, para se tornar um soldado deste exército é preciso preencher rigorosamente todos os critérios abaixo:




  • Bônus de Ataque: + 4;
  • Tendência: Leal e bom, leal e neutro, neutro e neutro e bom;
  • Talento: Liderança e combate montado;
  • Perícias: Diplomacia ou intimidar 1 graduação; ouvir 2 graduações, cavalgar 2 graduações; observar 2 graduações;
  • Especial: Integrar os Dragões Púrpuras.

Vale ressaltar duas questões fundamentais: Primeira, os cavaleiros de Cormyr tem como filosofia institucional a preservação da paz; e, a segunda, essa ordem militar não está relacionada ao dragão púrpura Thauglorimorgorus - O dragão ancião mais poderoso e maior da Orla do Dragão.




Fonte:

GUIMARÃES, Douglas Ricardo, FINK, Deborah M. Dungeons & Dragons: Forgotten Realms. Tradução: Lúcio Pimentel. São Paulo: Devir, 2002.